Festivais Culturais da Madeira
Programa Galeria Orquestrofone Informações Úteis

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




 

Promover a Madeira pela cultura

 

De 18 a 28 de outubro vai realizar-se a IV edição do Festival de Órgão da Madeira. Com uma programação centrada nas obras dos grandes compositores europeus, numa variedade de géneros e repertórios, abrangendo um período que vai do Renascimento à época Contemporânea, este é um evento que adquiriu a máxima relevância na agenda cultural anual da Região Autónoma, pela qualidade e diferença que oferece, no contexto da programação dos nossos festivais anuais.

 

Criado há quatro anos no âmbito do projeto “Festivais Culturais da Madeira”, o Festival de Órgão apresenta-se como o corolário final da estratégia desenvolvida ao longo de mais de uma década em matéria de recuperação do património organístico da Região, com um legado histórico de mais de vinte instrumentos oriundos das escolas de organaria ibérica, italiana e inglesa, de que permanecem relevantes testemunhos nas igrejas da Madeira. Ao longo dos anos, a seguir ao trabalho de inventariação e descrição organológica, procedeu-se metodicamente ao restauro de vários desses instrumentos, com a consequente gravação e edição de alguns CD’s, com repertórios diferenciados e ajustados a cada um dos órgãos, por forma a dar sequência ao seu conhecimento e divulgação. Esse processo de salvaguarda patrimonial viria a conquistar acrescida visibilidade com a edição do livro Órgãos das Igrejas da Madeira. Finalmente, ligando os dois pontos extremos de um processo integrado que vai precisamente do levantamento e inventariação, ao conhecimento e fruição desta franja tão singular do nosso património cultural, temos a criação e realização de um grande Festival de Órgão, onde se procura dar a ver, em estreita harmonia, as múltiplas formas  da Beleza, historicamente plasmadas na arte do espaço (a arquitetura) e na arte do tempo (a música), aqui de novo religadas na fruição estética que só a cultura pode proporcionar.

 

Hoje, a Região dispõe de oito órgãos históricos restaurados, mais o grande órgão criado de raiz para a igreja do Colégio, cuja intervenção é crucial na programação do festival. Em todo este percurso de reabilitação, merece especial menção o trabalho do mestre organeiro Dinarte Machado, no restauro, e o contributo do organista João Vaz, na programação e direção artística do festival, ambos com profundo conhecimento da diversidade e riqueza do nosso património organístico e que desde sempre acompanharam com grande entusiasmo e sensibilidade profissional todo o processo que conduziu à realização do Festival de Órgão da Madeira.

 

Ampliar, qualificar e diversificar a oferta cultural, atraindo sempre novos públicos, eis um forte objetivo do projeto “Festivais Culturais da Madeira”, comparticipado por fundos comunitários, e que, enquanto marca promovida pela Secretaria Regional da Cultura, Turismo e Transportes, vai certamente encontrar nesta IV edição do Festival de Órgão - pelos intercâmbios e atratividade que suscita – uma concretização muito especial desse objetivo: ver crescer a afluência de público entre residentes e visitantes, promovendo o melhor da nossa identidade patrimonial e artística no mercado mais vasto do turismo cultural.

 

João Henrique Silva
Diretor Regional dos Assuntos Culturais

 

 

 

IV Festival de Órgão da Madeira

 

«Tenha-se em grande apreço na Igreja latina o órgão de tubos, instrumento musical tradicional e cujo som é capaz de dar às cerimónias do culto um esplendor extraordinário e elevar poderosamente o espírito para Deus». Estas palavras da Constituição Sacrossantum Concilium sobre a Sagrada Liturgia, publicada em Dezembro de 1963, na sequência do Concílio Vaticano II, não só sublinham a longa ligação do órgão à liturgia, como parecem reflectir a dimensão única que, ao longo de séculos, os compositores viram naquele instrumento. De facto, ao longo da sua história, tanto no contexto litúrgico como fora dele, o órgão, pela sua amplitude dinâmica, pela sua riqueza tímbrica e, sobretudo, pela capacidade ímpar de prolongar o som até ao infinito, demonstrou estar especialmente adequado à expressão de uma realidade indefinível.

 

O Festival de Órgão da Madeira veio coroar um consistente processo de recuperação, ampliação e divulgação do património organístico madeirense, desenvolvido ao longo de mais de uma década pelo Governo Regional da Madeira. Ao longo dos últimos três anos, o Festival de Órgão da Madeira tem procurado valorizar aquele património, pondo em evidência as múltiplas facetas do órgão e as especificidades de cada um dos instrumentos existentes na Região, dando simultaneamente a conhecer a imensa riqueza e variedade do repertório organístico e fomentando, também com a colaboração da Igreja, a participação do órgão na vida cultural e social madeirense.

 

A programação desta quarta edição do Festival de Órgão da Madeira, que conta mais uma vez com a presença de artistas de indiscutível relevo no panorama nacional e internacional, inclui um repertório que abrange mais de cinco séculos (apresentando o órgão não só na sua vertente solística, como também associado ao canto, ao trompete, ao saxofone ou à percussão), uma conferência sobre o papel do órgão na liturgia atual e um especial enfoque na improvisação – uma arte que esteve sempre associada à prática organística. A espiritualidade é um traço comum aos diferentes programas apresentados e transparece tanto na música escrita com um evidente propósito litúrgico (no respectivo contexto católico ou protestante), como nas obras cuja composição foi inspirada nos valores humanos, como o equilíbrio da vida ou a paz e a concórdia entre os povos.

 

João Vaz
Diretor Artístico